Juventude falando pra juventude: esse é o tema do iNews, um dos muitos programas encorajadores e educacionais do SAT-7 ACADEMY. Quase 100 episódios já foram feitos, com dois a mais sendo feitos semanalmente, diz Fadi Taher, o diretor de Ícone de Mídia, a casa de produção de Cairo (Egito) que cria vários de programas apresentados na SAT-7.

O programa é apresentando por um adolescente e consiste em entrevistas e vox pops (opinião do público) com os jovens. Os episódios são rápidos e têm a duração de apenas 7min “as crianças não ficarão sentadas por muito tempo!” Fadi da risada. Nesse momento, o programa introduz um tópico principal para ser debatido, então vão para a rua para ter a opinião dos jovens. Cada episódio tem duas notícias curtas e um relato adolescente – geralmente mostrando um hobby ou uma paixão de um jovem.

“O objetivo é dar informação para os mais novos e ser uma plataforma para eles compartilharem suas opiniões,” Taher disse. “Eles falam livremente e temos todos tipos de perspectivas. As crianças te surpreendem: você nunca sabe o que elas vão dizer!”

A série reconhece que muitos dos adolescentes e crianças que assistem têm horizontes limitados, devido a pobreza, oportunidades de educação limitadas ou deslocamento pela guerra. Mas o iNews visa expandir esses horizontes de uma maneira que irá motivar os espectadores e mostrar a verdade.

ALCANÇANDO OBJETIVOS

Em um dos episódios uma garota egípcia de 17 anos nos contou sua história sobre vencer uma competição nacional de ciências onde ela se especializou no campo da neurologia. Ela foi selecionada para representar o país em uma competição internacional que aconteceria nos Estados Unidos e ela contou como superou as dúvidas para alcançar esse objetivo.

“Eu sempre achei que os cientistas eram melhores do que eu, mas meus pais me disseram que somos todos iguais e eu também posso ser uma cientista.”

Em outro episódio, jovens engenheiros no ensino médio demonstraram os robôs eletrônicos que eles fizeram e falaram sobre o obejetivo de se tornarem engenheiros mecânicos e eletrônicos.

“Em Novembro de 2017 nós fomos a campos de refugiados no Líbano e gravamos episódios com crianças sírias refugiadas,” Fadi Taher disse. “Nós filmamos algumas histórias de alguns jovens pois, apesar de suas vidas tristes, eles têm ótimos hobbies – como música, desenho – e então nós perguntamos uma questão geral sobre o fato de eles terem que sair da Síria.”

Isso foi “muito duro para eles”, Taher admite, mas ele enfatiza: “Nós mostramos histórias reais, crianças passam por problemas, mas continuam tendo esperança e boas conquistas que podem inspirar outros jovens.”