O mundo assistiu horrorizado em 2014 quando o ISIS invadiu o Iraque, tirando centenas de milhares de cristãos de suas terras históricas. Cinco anos depois, um documentário da SAT-7 visita a cidade  libertada de Qaraqosh, onde os fiéis estão reconstruindo – ininterruptos e cheios de esperança.

Em uma cena do novo documentário, Sequel of Hope (Sequela de Esperança), uma igreja no Qaraqosh está estourando pela Páscoa. O culto é comemorativo – mas um olhar mais de perto, revela um lembrete do passado recente.

Rabiscado em uma laje de pedra branca estão as palavras pintadas com spray, “o califado do ISIS permanecerá para sempre”.

As palavras não foram pintadas ou apagadas, simplesmente riscadas com um “X” grosso e preto. Eles são um lembrete do que estava aqui – e o que está aqui não é mais.

DESTRUÍDA E DESERTA

O ISIS foi retirado de Qaraqosh em 2016, mas levou anos para os refugiados voltarem. Hoje, apenas metade da população de 55 mil retornou.

Partes da cidade parecem como de uma cidade fantasma, com ruas vazias, prédios danificados ou em ruínas. O ISIS destruiu, queimou ou vandalizou todas igrejas da cidade. Em algumas, as paredes estão cheias de furos de balas, com imagens talhadas e desfiguradas de Jesus.

DANÇANDO NAS RUÍNAS

Mas no meio da ruína, a esperança está viva.

Essam Nagy é apresentador, produtor e diretor do documentário que visitou Qaraqosh. “O lugar está cheio de pessoas,” Nagy diz em Sequel of Hope, “os que estão ansiosos para fazer parte do corpo de Cristo… A cena inteira declara a vitória da justiça sobre a escuridão e o ódio.”

Junto com os cultos de Páscoa, o filme mostra milhares de fiéis reunidos para uma procissão do Domingo de Ramos.

Em uma cidade onde famílias cristãs foram assassinadas e enterradas em massa – uma cidade reduzida por um insurgente – eles dançam alegremente nas ruas.

“ELES NÃO PUDERAM DESTRUIR A ESPERANÇA”

“[ISIS] queria derrubar todas as cruzes, e ele derrubou,” disse Nagy. “Ele queria apagar todas as inscrições em siríaco e aramaico nas igrejas, e ele apagou.

“Mas no final, ele não puderam destruir a esperança. Existe um “fator X” por ser Cristão no Oriente Médio, que não pode ser apagado. É a esperança.”

“NÓS SOMOS A VERDADEIRA IGREJA”

Nagy também visitou a igreja Al Taha, acompanhado por Majid, a um líder da igreja local muito conhecido. Mais uma vez, os fiéis estão reunidos em grande número, alegres e desafiando o perigo que os rodeia.

“A igreja não é apenas um edifício,” disse Majid. “Nós somos a verdadeira igreja.”

Majid mostrou a Nagy um altar de mármore, deixado queimado e despedaçado por um ataque incendiário. Um pedaço sai na mão de Nagy, e ele olha para o pedaço por um instante.

“Posso ficar com esse pedaço?” ele pergunta com sua voz rouca.

“Com certeza,” diz Majid.

FORTE POR DENTRO

Mais tarde, Nagy compartilha o significado resonante desse momento. “Existem dois lados,” ele disse, segurando o pedaço solto. “Você tem o lado queimado, onde o fogo tragou. Mas o outro lado permanece branco.

“Sim, o fogo machucou. Machucou fisicamente, na superfície, mas por dentro, permanece mármore – permanece o mesmo.”

Isso também é verdade para os fiéis em Qaraqosh, Nagy disse. Eles carregam o peso que suportaram, mas estão longe de estarem destruídos. “Eles estão lá para fazer uma declaração – para dizer, ‘não é tão fácil nos desanimar.’”