Ser mãe pode ser desafiador nas melhores circunstâncias. Katayun*, uma cristã, tem grandes preocupações com sua filha e a juventude do Irã.

“Eu sou uma mãe e eu amo meu país,” ela escreve para a SAT-7. “Todos os dias eu presencio a ruína dos jovens que têm a mesma idade da minha própria filha. Os filhos dessa terra são como os meus. A dor deles é a minha dor, a sua destruição é a destruição da flor do nosso país.”

Katayun tem dores físicas. Ela vive com diabetes e perda de visão. Mas ela ainda diz: “Eu sofro mais vendo a flor da juventude murchar antes de ter a chance de florescer. Eles estão presos pelo vício de substâncias tradicionais e artificiais, feitas pelos homens.”

DROGAS POR TODA PARTE

Cerca de 90% da heroína do mundo é produzida do ópio cultivado no Afeganistão, e cerca de 60% passa pelo Irã em seu caminho para Europa e além. Muitos iranianos são vítimas do ópio, heroína e outras drogas.

Katayun testemunha a dor que os pais sentem ao ver seus filhos ficarem presos. “Minha filha e seus amigos foram atolados e arruinados,” ela disse. “Eu oro noite e dia, e não perdi a esperaça porque Jesus cura. Eu tenho fé, mas estou com dificuldades.”

UM DE MUITOS PROBLEMAS

Apesar do crescimento do número de cristãos no Irã, o problema com as drogas é apenas um deles, e muito grande para a Igreja Cristã do Irã lidar de forma efetiva.

Katayun pediu para outros fiéis se juntarem com ela nas orações, mas eles frequentemente não podem e ela se sente desencorajada e sem ajuda diante dos desafios que os jovens iranianos enfrentam.

Ela pede para todos orarem: “pela salvação desses jovens que estão sendo devorados por lobos; orar pelos famintos, para aqueles sem ninguém para protegê-los. Meu coração dói em ver que ninguém ouve o grito dos desamparados.”

GERAÇÃO SEM FÉ?

Katayun percebeu que muitos jovens se tornaram resistentes à religião, e repudiam qualquer coisa que se pareça com fé em Deus.

Katayun explica: “Os jovens dizem “tia, você está nos contando histórias religiosas.’ Eu falo para eles de Cristo e eles dizem: ‘nós tínhamos religião e não vimos nenhum benefício, agora você quer nos falar de Jesus.’ Eles zombam de mim e dizem ‘talvez você tenha conseguido se enganar, mas não acreditamos ou confiamos em nada.’

“O templo deles são as drogas. As jovens entram em relacionamentos ruins e acabam tendo abortos. Eles carregam facas. Eu tenho minha própria jovem que está sendo consumida perante os meus olhos. Cheguei a um beco sem saída, junto com milhares de outras mães.

“Por favor, orem incessantemente; Eu estou esperando para ver a misericórdia de Deus e testemunhar a salvação da minha filha e os filhos do meu país. Dia e noite eu oro e choro.”

 

 

 

*Os nomes foram alterados por questões de segurança.