Com a nova série de comédia, The Wall (A Parede), o canal árabe da SAT-7 ajuda o Oriente Médio a fortalecer suas sociedades de dentro para fora. Enquanto dão risada e simpatizam com os personagens, serão oferecidas aos espectadores novas perspectivas sobre igualdade entre homens e mulheres, racismo, direitos das pessoas com deficiência e muito mais, criando uma mudança pessoal positiva que se espalhará para os outros.

O enredo do programa centra-se nos psicólogos casados ​​Sara e Adel, que compartilham um único escritório dividido por uma parede. O relacionamento deles é tão dividido quanto a clínica do Cairo: ele acha que ela deveria ficar em casa com os filhos, enquanto ela acha que eles deveriam fazer mais pelos pacientes. Quando o casal descobre uma nova técnica psicológica futurista que lhes permite habitar a mente de seus pacientes, literalmente vendo pelos olhos, eles começam uma jornada de descoberta que amplia suas perspectivas – e os ajuda a entender um ao outro.

“Contar histórias, como nesta série, é a melhor maneira de se comunicar com os espectadores. Isso realmente chama a atenção deles. E isso nos incentiva a olhar para a vida moderna e suas lutas com olhos diferentes”, diz George Makeen, gerente de programação árabe da SAT-7. Desde o seu lançamento em janeiro, o programa já conquistou muitos seguidores, com milhares de pessoas assistindo apenas no Facebook após a transmissão principal por satélite.

Através dos 26 episódios do The Wall, Sara e Adel enfrentam muitos problemas sociais comuns no Oriente Médio e Norte da África, permitindo que os espectadores os vejam de diferentes perspectivas e desenvolvam empatia. Por exemplo, quando Sara ajuda Mona, uma jornalista brilhante a negar a apresentação de trabalhos por ser descendente de núbios, ela percebe como a discriminação retém toda a sociedade. E quando ele vê da perspectiva de Moheeb, um jovem com Síndrome de Down que trabalha na clínica, Adel aprende como é experimentar injustiça todos os dias. A trama também apresenta personagens afetados por casamento forçado e precoce, discriminação religiosa e corrupção.

A força única de The Wall é que essas questões importantes estão inseridas em uma trama empolgante e envolvente – na qual Sara e Adel devem enfrentar os inimigos dentro e fora da clínica – e sempre com humor. “Quando rimos, as coisas fazem sentido”, explica o especialista em narrativa Layal Ghanem. “Não nos sentimos atacados. Se pudermos nos relacionar com um personagem que está fazendo errado, às vezes nossos mecanismos de defesa entram em ação. Mas, se estamos rindo, relaxamos – e começamos a ouvir.”

À medida que os espectadores desenvolvem seu próprio entendimento sobre liberdade de religião e crença, unidade dentro da diversidade, direitos das minorias e liberdade de expressão, o objetivo é que eles façam mudanças positivas em suas interações com aqueles que são diferentes e também compartilhem seu entendimento com os outros. Um tema chave do programa é o desenvolvimento pessoal, especificamente a ideia de que, mesmo que sua sociedade não incentive o progresso, ou mesmo se oponha a ele, os indivíduos têm a capacidade de fazer mudanças em suas próprias vidas – independentemente da idade ou estágio da vida.

A comédia de 30 minutos, produzida pela Arascope, faz parte de um projeto do canal SAT-7 ARABIC mais amplo para promover valores positivos com o objetivo final de melhorar os direitos humanos no Oriente Médio e Norte da África. O projeto, financiado pela Norwegian Mission Society, também inclui o novo e impactante programa de entrevistas para jovens You Enlighten Us (Você Nos Ilumina) e uma série de clipes criativos de “anúncios de serviço público” com mensagens simples e poderosas.