Neste devocional, escrito por um cristão iraniano e compartilhado em farsi com os espectadores do canal SAT-7 PARS, refletimos sobre uma pergunta que nos é tantas vezes feita no mundo de hoje: de que lado estamos? Pelas lentes de Josué 5, nosso irmão examina como nossa fé cristã pode guiar nossa resposta a essa pergunta.

Esta pergunta está sendo feita quase continuamente e sobre tantas coisas diferentes. Esta ou aquela causa? Este político ou aquele político? Esta festa ou aquela festa? Este ou aquele país?

Onde quer que estejamos, pode-se imaginar que uma determinada resposta a tal pergunta é tão evidentemente verdadeira que todas as pessoas que pensam corretamente deveriam concordar com ela. Mas uma perspectiva piedosa pode envolver mais humildade. Pode ser que nenhuma das respostas seja a certa ou que estejamos fazendo a pergunta errada.

Lemos em Josué 5 que ao entrar na terra prometida, no auge da batalha de Jericó, Josué viu um homem em pé com uma espada desembainhada. Aproximando-se do homem, Josué perguntou: “De que lado você está, do nosso ou deles?” Uma pergunta inteiramente razoável nas circunstâncias. Portanto, Josué pode muito bem ter ficado surpreso ao ouvir o homem responder: “Não, pelo contrário, vim agora como o capitão do exército do Senhor”.

Embora saibamos pelas escrituras que a vitória já foi concedida a Israel, essa resposta teve implicações que Josué deve ter entendido. Ele caiu e se curvou, seu rosto no chão. O capitão do exército do Senhor não apenas recebeu a adoração de Josué, mas também disse que Josué deveria tirar os sapatos, pois estava pisando em solo sagrado. Não é uma recordação das palavras de Deus falando a Moisés na sarça ardente? Um anjo de Deus não aceitaria adoração (Apocalipse 22.8), então aqui vemos o próprio Jesus aparecendo em sua forma pré-encarnada.

O desejo inicial de Josué de saber a lealdade do homem com a espada era compreensível de uma perspectiva humana, mas essencialmente errado. Ele estava se dirigindo a Deus e sua pergunta era ao contrário. Ele deveria estar perguntando: “Estou do lado de Deus e estou disposto a tirar meus sapatos e ser submetido à vontade daquele que é o Capitão do exército do Senhor?”

A resposta que dermos a essa mesma pergunta impactará nossa posição em relação às questões menores que geram tantos debates acalorados hoje em dia. Ao nos submetermos à vontade do Senhor dos Exércitos, submetemo-nos à sua vontade e agenda para todas as coisas. Isso não significa que não tomemos posição sobre o assunto em questão, pelo contrário, antes de tomarmos qualquer posição, devemos primeiro tirar os sapatos. Como pessoas pisando em solo sagrado diante de nosso Criador, olhamos para todas as questões pelas lentes do que Ele já disse em sua palavra. Estar conformado com a cosmovisão bíblica pode resultar em impopularidade, mas ganhar pessoas para Cristo nunca foi questão disso.

E a verdade é que o desejo de Deus é que todos escolham a salvação; ser curado, restaurado e ter vida plena. Ezequiel 33.11 diz: “Tão certo quanto eu vivo, declara o Soberano Senhor, não tenho prazer na morte dos ímpios, mas antes que eles se voltem de seus caminhos e vivam. Virem! Afaste-se de seus maus caminhos!” Jesus essencialmente diz a mesma coisa: “Arrependei-vos, porque o reino dos céus está próximo” (Mateus 4.17).

Seu desejo de salvar é tão grande que, ao custo final para si mesmo, Ele providenciou um único caminho, Jesus, nossa Salvação, que é o caminho, a verdade e a vida, para que todos possam ser salvos.

Mas também é verdade que há uma escolha a ser feita. Existem dois caminhos, um amplo, que leva à destruição, e outro estreito, que leva à vida. Nosso papel como discípulos é pregar o Evangelho quando é fácil e quando é difícil; para ajudar as pessoas a encontrarem o Caminho Estreito e amá-las, sejam elas quem forem e qualquer time em que estejam. Jesus, o Capitão do exército do Senhor, é aquele a quem pertence a vitória final e o Reino.

Estamos do lado dele?